HISTÓRIA DAS ARMAS DE FOGO E SEUS SISTEMAS DE OPERAÇÃO: ARMAS DE PEDERNEIRA

Como dito no último artigo, o sistema Wheellock era muito caro de se produzir e por conta disso, nunca foi muito utilizado em países como Rússia, China, Índia e outras nações asiáticas. O baixo custo de produção levou as armas de matchlock serem muito utilizadas pelas Forças Armadas de diversas nações, mesmo alguns séculos depois de sua criação. Porém, era necessário evoluir: ter um sistema que fosse tão barato quanto o primeiro e tão confiável quanto o segundo. E em 1540, ao sul da Alemanha, foi inventada a primeira arma de pederneira.

É possível ver na imagem os dispositivos de uma arma de Flintlock que usava sistema Snaphaunce
É possível ver na imagem os dispositivos de uma arma de Flintlock que usava sistema Snaphaunce

As armas de Matchlock não eram nada confiáveis, por conta de necessitar de uma mecha incandescente para efetuar disparos, quando as batalhas aconteciam na chuva, em lugares muito úmidos ou enlameados as armas simplesmente não disparavam, pois, sua mecha não acendia. Além disso o soldado precisava carregar diversas mechas molhadas em substancias que à faziam queimar lentamente. Alguns soldados inclusive já carregavam estas mechas acesas, para diminuir o tempo entre os disparos.

As armas de pederneira vieram então para praticamente sanar estes problemas, o sistema de disparo era agora muito mais confiável e mais barato de se produzir, pois era simples. Eles consistiam basicamente em um cão, que era uma peça em forma de “S” com uma espécie de pinça na sua extremidade superior, nesta pinça ficava presa uma pequena pedra de pederneira. À frente do cão havia uma chapa de ferro a qual a pedra se friccionava e gerava as faíscas, a caçoleta e algum tipo de tampa da caçoleta.

É bom salientar duas curiosidades importantes desses sistemas: a origem do nome da peça que chamamos de cão e a origem, também do nome em inglês da ação de armar o cão.

A palavra cão, significa em inglês “dog”. “Dog” é o nome da peça das armas de pederneira que segurava a pequena pedra em sua pinça. Este nome foi empregado porque ela se parecia com a boca de um cachorro segurando algum objeto. Em português, adotamos esta nomenclatura na mesma época, e a utilizamos até hoje, mesmo não tendo mais sentido algum. Com a invenção das armas de percussão direta, esta peça passou a se chamar “hammer”, palavra esta que significa martelo, foi dado este nome pois sua função era exatamente essa: a de um martelo batendo na espoleta, percursor, ou o que seja.

Já a origem da nomenclatura “cock”, palavra que em português significa galo, foi usada para designar à ação de armar o cão, sua origem vem também das armas de pederneira. Quando o gatilho era acionado o movimento do cão ir à frente parecia com a de um galo bicando algo. No caso a pedra de pederneira batia contra a chapa de fricção e ocorria o disparo. Essa nomenclatura é usada até hoje em inglês.

Ignição de um sistema True Flintlock
Ignição de um sistema True Flintlock

Todas estas armas disparavam pelo mesmo princípio: o cão era armado e ficava tensionado à frente por uma mola interna, mas preso por um dente do mecanismo do gatilho, a chapa de fricção era então posicionada sobre a caçoleta. Quando o gatilho era acionado o cão era liberado e fazia seu movimento para frente, quando a pedra de pederneira atingia a chapa de ferro eram geradas faíscas e esta chapa subia, deixando exposta a caçoleta com a carga inicial de pólvora, as faíscas geradas queimavam esta carga que se incendiava e entrava pelo orifício da caçoleta, atingindo a carga principal dentro da arma, acontecendo assim o disparo. Em alguns sistemas a tampa da caçoleta devia ser movida manualmente antes do disparo, em outros, ao pressionar o gatilho a tampa abria automaticamente, e nos últimos sistemas a tampa da caçoleta era a própria chapa de fricção. Como podemos ver então, agora o soldado podia não só disparar sua arma na chuva, mas também portá-la armada.

Leia também:MG 42

Esta é uma arma de pederneira usando sistema Snaplock. É possível ver a tampa da caçoleta, que é manual.
Esta é uma arma de pederneira usando sistema Snaplock. É possível ver a tampa da caçoleta, que é manual.

Diversos sistemas foram desenvolvidos nesta época, todo mundo queria criar um sistema que virasse tendência, mas apesar de todos este sistemas consistirem basicamente na mesma coisa, existiam sim algumas diferenças entre si.

A primeira arma de pederneira, criada em torno de 1540 ao sul da Alemanha, usava um sistema chamado de Snaplock, a tampa de sua caçoleta devia ser acionada manualmente, tanto para fechar quanto para abrir, aumentando então o tempo entre um disparo e outro, e aumentando também os riscos de um disparo falho (caso fosse disparada com a tampa fechada).  Seu uso foi de fato disseminado apenas no ano de 1600, mas logo depois, em 1640, as armas de pederneira usando este sistema não eram mais fabricadas, pois seu lugar foi tomado por um sistema mais eficiente que vinha tomando tamanho na Europa, o Snaphaunce.

Pistola de pederneira japonesa usando sistema Snaphaunce.
Pistola de pederneira japonesa usando sistema Snaphaunce.

O Snaphaunce também chamado de Snaphence, foi criado em 1550 desenvolvido ao norte da Europa. A principal diferença entre este sistema e o Snaplock, é que o Snaphence possuía uma abertura automática da tampa da caçoleta quando o gatilho era pressionado. Fazendo com que esta arma fosse mais confiável e possuísse menor tempo entre seus disparos. Este sistema foi utilizado principalmente pela Inglaterra, Alemanha e França. Chegou à América apenas em 1600, e logo em 1680 caiu em desuso, sendo fabricada até 1720 apenas pela Itália.

Já em 1630, um sistema ficou bastante famoso, chamado de Doglock, ou Englishlock. Ele possuía duas principais diferenças entre os sistemas anteriores: 1º a tampa de sua caçoleta era a própria chapa de fricção, assim como no sistema espanhol Miqueletlock.e 2º Possuía trava do cão.

Armas de pederneira usando sistema Doglock.
Armas de pederneira usando sistema Doglock.

Essa trava consistia em uma peça dentada externa, localizada logo atrás do cão, que por sua vez também possuía um dente na sua parte de trás. O cão, como já dito, era tensionado à frente por uma mola, ele então era levado à trás e encaixava-se o dente da trava no cão, fazendo com que ele ficasse preso. Para se efetuar os disparos você devia puxar o cão totalmente para trás, quando se fazia isso a trava era liberada automaticamente. Posicionar a chapa de ferro, que era também a tampa da caçoleta, sobre a caçoleta e pressionar o gatilho. Como nos outros sistemas esta chapa subia ao ser atingida pela pederneira, e ao fazer isso expunha toda a carga primária de pólvora. Este sistema foi bastante usado. Sua produção foi cessada em 1750, com a invenção do novo e último sistema das armas de pederneira, o chamado True Flintlock.

Pistola de pederneira usando sistema True Flintlock.
Pistola de pederneira usando sistema True Flintlock.

O True Flintlock, também chamado de Frenchlock, ou o mais comum Flintlock (apesar de ser uma denominação genérica) foi inventado em 1750, na França. Este sistema foi desenvolvido pelo armeiro Marin le Bourgeois para o Rei Luiz VIII. Ele foi o último sistema de armas de pederneira, e o mais usado entre elas.

Poucas foram as diferenças notáveis entre o Flintlock e os demais sistemas. Do sistema Doglock, a única coisa que herdou foi a chapa de fricção em forma de “L” que era também a tampa da caçoleta. Esta chapa foi também aumentada, para prevenir disparos falhos. Além de pequenas mudanças nas molas principais, fazendo com que o cão tivesse agora duas posições, uma mais segura, chamada de half-cocked, quando o cão está parcialmente rebatido, e a posição “cocked”, quando o cão está armado e totalmente rebatido. É interessante dizer que quando o cão estava em posição “half-cocked”, ele teoricamente não tinha força o suficiente para gerar faíscas caso se soltasse e batesse contra a chapa de fricção, mas por muitas vezes isso acontecia, e disparos acidentais ocorriam com certa frequência.

 

Caçador do povo de Dogon, em Mali.
Caçador do povo de Dogon, em Mali.

O sistema True Flintlock, foi fabricado até meados de 1850. Foi usado basicamente em todo o mundo. Esteve presente em diversos conflitos, como a Guerra da Independência dos EUA. Este tipo de armamento, apesar de totalmente obsoleto comparado aos sistemas de armas de fogo modernos, é barato e fácil de se fabricar e por isso é usado até hoje por povos que vivem em países muito pobres, principalmente na África. Como podemos ver nesta foto tirada em 2010.

Se você gostou deste artigo, por favor, compartilhe-o com seus amigos!

Criador do blog Firearms Brasil. Atirador Informal, Técnico em Informática, mineiro e apaixonado pelo mundo das Armas de Fogo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *