WINCHESTER M1887 / M1901

Sejam bem vindos leitores! Há muito tempo venho querendo escrever sobre esta arma que foi o primeiro projeto bem sucedido de uma espingarda de repetição (pois em 1867 a indústria Roper criou a Roper Repeating Shotgun, que não funcionou muito bem), a Winchester M1887. Esta arma foi criada por ninguém menos que o mestre das armas em sua época, John Moses Browning.

Em 1886 John Browning apresentou à Winchester, o protótipo de uma espingarda semi-automática funcional, chamada depois de Browning Auto-5 (lançada anos mais tarde pela Fabrique Nationale de Herstal) seu sistema foi desenvolvido e patenteado por ele.

John Moses Browning segurando sua espingarda semi-automática Browning Auto-5
John Moses Browning segurando sua espingarda semi-automática Browning Auto-5

Naquela época, pensar em um sistema de alimentação como o apresentado por Browning era algo inimaginável, mas devemos entender que estamos falando de John Moses Browning, uma pessoa que estava muito a frente de seu tempo neste quesito. A arma foi apresentada a T.G Bennett o então diretor da Winchester. E por incrível que pareça, T.G não quis comprar o projeto, além de ocorrer um desacordo financeiro, pois Browning gostaria de receber pelo sistema de Royalties e Bennet queria pagar uma quantia fixa pelo projeto. Bennet também sofria de um enorme conservadorismo em relação a sua marca, pois por conta dela ser conhecida como “The Lever-Action Firearm Company” (A Companhia de Armas por Ação de Alavanca) ele acabou dizendo que a espingarda deveria ser também por ação de alavanca.

Em resposta a isso, em 1887, Browning desenvolveu uma espingarda de carregamento pela culatra, com cão exposto, e claro, fazendo uso de uma alavanca para municiar a câmara, assim como para deixa-la armada; o que fez com que T.G Bennett gostasse da arma e neste mesmo ano a Winchester comprou por US$8.000,00 seus direitos de produção.

Após vender a patente, John Browning saiu em uma missão de dois anos pela igreja Mormon, viajando pelos EUA. Quando ele e um amigo da igreja estavam viajando a praticamente dois meses, eles pararam em uma loja de armas na Georgia, e lá viram sua nova criação exposta na vitrine. Browning pediu para manusear a arma, e ao recebe-la manuseou-a com facilidade e conhecimento, para a surpresa do atendente da loja. O funcionário então perguntou para Browning: “Como diabos você sabe operar esta arma que acabou de chegar ao mercado e nunca antes algo parecido havia sido visto?”. Foi quando o amigo de John rapidamente respondeu: “Foi ele que criou esta arma!”. O atendente da loja rapidamente tomou a arma de volta e expulsou os dois de lá, pois não acreditou que um Evangélico Mormon estaria por trás da criação de uma arma de fogo. Mal sabia ele que estava de frente a John Moses Browning.

Sistema de alimentação pela culatra. cap retirada do vídeo de Hickok45
Sistema de alimentação pela culatra. Cap retirada do vídeo de Hickok45

O modelo M1887 foi desenvolvido em dois calibres, 10 e 12 GA, com canos de 30″ e e 32″. A arma foi criada para aceitar munições de pólvora negra, que ainda eram amplamente usadas, porém, logo em seguida com a disseminação do uso da pólvora sem fumaça, que era mais forte que sua antecessora, a Winchester se viu obrigada a atualizar sua arma para que aceitasse este tipo de munição. Em 1899 John Browning refez a arma, criando então a Winchester M1901, que usava uma liga de metal mais forte. Ela foi oferecida apenas no calibre 10 gauge, pois eles não queriam que este modelo disputasse mercado com o modelo M1897, que havia sido lançada a pouco como um avanço do modelo M1893 (ambas em “pump action“).

A marca apresentada na segunda foto da linha do meio é a antiga logo marca da Winchester, nela estava escrito, WRA, que representava Winchester Repeating Arms Co. As marcas vistas na última foto são as marcas Vitorianas de prova para uso de pólvora negra.
A marca apresentada na segunda foto da linha do meio é a antiga logo marca da Winchester, nela estava escrito, WRA, que representava Winchester Repeating Arms Co. As marcas vistas na última foto são as marcas Vitorianas de prova para uso de pólvora negra.

O modelo M1887 foi amplamente usado no chamado velho-oeste americano, pois a cadência de tiro desta arma era muito superior a qualquer espingarda usada na época. Seu tubo alimentador suportava até 5 munições, havia a possibilidade também de deixar mais uma munição no alimentador e outra na câmara, a arma totalmente carregada tinha uma capacidade total de 7 munições, muito mais que uma ou duas, como era configuração padrão até aquela época.

O modelo M1887 teve sua produção iniciada em maio de 1887, e seu número serial começou, obviamente, com 1, e sua produção terminou, dando lugar ao modelo M1901, em Março de 1899 e seu último número serial foi 64855. Mas ela foi trocada no mercado pelo modelo M1901 apenas em Junho de 1901. O início de produção do modelo M1901 foi no dia 29 de Julho de 1899, apenas 7 meses depois que a última M1887 fora produzida, o número de série deste modelo começou exatamente de onde sua antecessora havia parado, ou seja 64856. O fim de sua produção ocorreu no dia 5 de Novembro de 1931, totalizando o montante de apenas 13.500 M1901 produzidas, o último número de série usado para este modelo foi o 78356.

Se você gostou deste artigo, por favor, compartilhe-o com seus amigos!

Criador do blog Firearms Brasil. Atirador Informal, Técnico em Informática, mineiro e apaixonado pelo mundo das Armas de Fogo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *