Calibre da Semana: 5,7x28mm

Olá, olá, olá, “olar”, sejam todos bem vindos a mais um “Calibre da Semana”. Falarei hoje sobre um calibre que já venho querendo falar a tempos, e já que algumas pessoas o indicaram na nossa página do facebook (aliás fiquem a vontade para sugerir algum calibre que queiram ver aqui) , ele foi o escolhido.

O calibre 5,7x28mm é um calibre desenvolvido pela Fabrique Nationale de Herstal (FNH) no final dos anos 80. Foi introduzida ao mercado em 1990. A munição original se chamava SS90 usava um projétil de 23 grains, e alcançava uma velocidade na boca do cano de 850 m/s quando disparada da P90, submetralhadora criada justamente para esta munição (outra arma criada para esta munição, pela FN, foi a pistola Five-Seven). Um pedido de patente de número U.S Patent 5,0120743, chamado de “High Performance Projectille” (Projétil de Alta Performance) foi feito por Jean-Paul Denis e Marc Neuforge, em 1989, e foi concretizada em 1991.

O 5,7 foi criado para atender a uma requisição da OTAN, que queria trocar o calibre 9×19 (9mm Parabellum) de suas armas de uso pessoal. Os requerimentos de escolha do calibre eram: possuir maior precisão, performance terminal maior que a do 9mm e ser capaz de penetrar em coletes balísticos. A FN respondeu então com a criação deste calibre e as armas supracitadas. Nos anos de 2002 e 2003, a OTAN conduziu uma série de testes com a intenção de, enfim, trocar e padronizar o calibre de suas armas de uso pessoal. Os testes foram feitos com os calibres 5,7x28mm da FN e o 4,6x30mm criado pela Heckler & Koch (H&K) mostrando que o

A22207420
H&K UCP em 4,6x30mm

calibre desenvolvido pela FN possui uma performance muito superior ao calibre criado pela H&K. Dentre outros pontos, a OTAN citou que ele era 27% superior contra alvos desprotegidos e a mesma porcentagem contra alvos desprotegidos. Citou também que era menos sensível a temperaturas extremas, que havia um risco em potencial de erosão no cano das armas em calibre 4,6x30mm. Em adição, a OTAN disse também que o calibre Belga era parecido com o 5,56x45mm por conta de seu design e forma de produção, permitindo usar linhas produção já existentes para fazer este calibre, e que as armas neste calibre já eram produzidas a algum tempo e a pistola H&K UCP era um conceito ainda novo.

p90
FN P90 em 5,7x28mm

Entretanto, a delegação Alemã, entre outras, se contrapuseram a recomendação da OTAN em usar o 5,7x28mm, suspendendo assim todo o processo. Em resposta a isso, tanto os calibres 4,6x30mm quanto o 5,7X28mm vem sido usados por forças policiais e militares de mais de 40 países.

Este calibre, até 2004, era restrito apenas para forças militares e policiais, mas, em 2004, a nova pistola Five-Seven IOM foi introduzida no mercado, e finalmente oferecida para o público civil, usando munições 5,7x28mm SS192. Mas as organizações americanas de controle de armas (como a Brady Campaign) eram totalmente contra a introdução deste calibre para tal publico, em contraposição às organizações, no final do ano de 2004 as vendas desta pistola aumentaram consideravelmente.

Five-seveN_USG
FN Five-Seven em 5,7x28mm

Em 2005 a FN five-Seven foi assunto de intensas controversas pela “Brady Campaign” que se opuseram ainda mais contra a venda deste material, dizendo que a munição SS192 penetrava coletes balísticos de Kevlar nível IIA, mas a “National Rifle Association” (NRA) os contestou, levantando a hipótese de não terem usado os padrões de teste da que a FN usava, e dizendo também que a FN oferecia sua munição perfurante apenas para militares e policiais. Em resposta, Michael D. Barnes, então presidente da “Brady Campaign“, desafiou Wayne LaPierre, Vice Presidente da NRA, a ser alvejado, usando um colete de Kevlar nível IIA, por este calibre, e em resposta ao presidente da Brady Campaign, Wayne disse que: “Barnes demonstrou que seu grupo tem um imenso desrespeito às regras de segurança com armas de fogo…”

A munição 5,7X28mm segue uma linha de desenvolvimento que é a seguinte:

Protótipo SS90: A SS90 foi um protótipo usado apenas nos, também, protótipos da submetralhadora FN P90,  tinha um projétil FMJ de 23 grains com núcleo de polímero, que proporcionava uma velocidade na boca do cano de 850 m/s. A SS90 foi abandonada em 1994.

wm_5776039
Caixa de Munição SS190

SS190 Duty: A SS190 foi uma versão melhor da SS90, introduzida em 1993. Oferecia uma performance superior sobre a antiga e era um pouco menor. Essa mudança fez com que este calibre pudesse ser usado, também, na pistola FN five-Seven, que estava em desenvolvimento na mesma época. Disparada pela P90, a SS190 disparava projéteis de 31 grains a 715 m/s. Ela possuía o núcleo de alumínio ao invés de polímero, como o da SS90. Esta munição é fabricada com sua ponta plana, branca, preta ou preta e branca. É classificada pela ATF como munição perfurante, e é restrita pela FN apenas para forças militares e policiais.

Em testes conduzidos pela SWAT, do Departamento de Polícia de Houston, mostrou que chegava a penetrar, em gelatina balística, de 28 a 24cm quando disparada de uma P90. E em testes feitos pela Polícia Montada do Canadá, mostrou que em disparos feitos a uma distância de 25m utilizando da mesma arma, ela chegou a penetrar 25cm na gelatina balística após penetrar um colete de Kevlar nível IIA.

5.7-L191
Munição L191 Tracer

L191 Traçante: A L191, também chamada de SS191, é uma munição traçante, criada para facilitar a direção de disparos à noite. A combustão criada por produtos químicos localizados na parte de traz do projétil, cria um traço de luz que é visível até 200m. A L191 é fabricada a ponta vermelha ou preta e vermelha. A performance balística desta munição é idêntica ao da SS190, portanto é também classificada com perfurante pela ATF. E possui a mesma restrição de venda.

2110830_01_fn_5_7x28_ss192_ammo_640
Munição SS192

SS192 Ponta Oca: A SS192 foi descontinuada em 2004. Era usadaoum projétil de 28 grains de ponta oca, revestido em cobre e com seu núcleo também em alumínio, possuía 21,6mm de comprimento. O furo em sua ponta possuía a profundidade de 7,6mm e uma espessura de 0,8mm. A SS192 era classificada pela ATF como uma munição não perfurante, e em testes realizados pela FNH USA, não penetrou coletes de Kevlar nível IIA quando disparados pela pistola Five-Seven.

0111223_fn-sb193-subsonic-5-7x28-500-round
Munição SB193

SB193 Subsônica: A SB193 é uma munição subsônica, possui um projétil de 55 grains FMJBT (Full Metal Jacket Boat Tail). A SS193 não possui o distinto barulho de “crack” criado por munições subsônicas. Devido a baixa velocidade na boca do cano, a SB193 beneficia quem a usa com uma redução de 1,3 kgm/s em seu recuo. A SB193 é identificada pela sua ponta branca e é vendida apenas para militares e policiais.

TREINA
Munição T194

T194 Treina: A T194 foi descontinuada em 2002. Ela pode ser considerada uma versão mais nova da SS192 ou da SS195 (que falarei a seguir). Possuía um projétil de 28 grains revestido em cobre.

5.7x28_SS195LF
Munição SS195LF

SS195LF (Lead Free – Cobre): A SS195LF é uma munição disponível no mercado. Seu projétil é revestido em cobre e produz efeito balístico similar ao SS192, por qual foi trocado em 2004. Ela usa o mesmo projétil de 28 grains, revestido em cobre com núcleo de alumínio, assim como a SS192. Pode ser identificada por sua ponta prateada. A SS195 é classificada pela ATF como uma munição não perfurante e é fabricada Pela FNH na Bélgica.

SS196SR
Munição SS196SR

SS196SR (Sporting Round):  A SS196SR foi introduzida em 2005 e agora é descontinuada por conta da  SS197SR. Ela possuía um projétil Hornady V-Max com núcleo de cobre de 40 grains, atingia a velocidade de 500 m/s na boca do cano quando disparada por uma Five-Seven. Sua ponta de policarbonato servia como uma rampa expansiva. A SS196 era classificada como uma munição não perfurante pela ATF, em testes feitos pela FNH USA, ela não atravessou coletes balísticos de kevlar nível IIA quando disparada desta pistola. A SS196 pode ser identificada por sua ponta de polímero vermelha.

SS197SR-2
Munição SS197SR
SS197SR (Sporting Round):  O SS197SR é atualmente oferecido ao mercado civil. Seu projétil possui é o mesmo de 40grains com núcleo de chumbo, mas sua carga o faz ter uma velocidade na boca do cano de até 530 m/s quando disparada de uma Five-Seven. O projétil possui uma ponta azul de polímero, ao invés da vermelha usada na SS196. A SS197 é fabricada pela Fiocchi sob contrato com a FNH desde 2006 e é distribuída para os Estados Unidos pela Compania Federal de Cartuchos.
FN_5.7x28mm_SS198LF_A
Munição SS198LF

SS198LF (lead free): A SS198LF usa o mesmo projétil da SS195LF, mas tem uma velocidade de 30 m/s maior. Possui uma ponta verde, e é vendida apenas para forças Militares e policiais.

American Eagle (AE5728A) TMJ: Desde 2012 a “Federal

fed 5-7 ammo 003.jpg_thumbnail0
Munição American Eagle AE5728a

Cartridge Company” produz a munição 5,7x28mm usando sua marca “American Eagle” chamada de AE5728A, esta munição usa um projétil de 40 grains totalmente encamisado. As cápsulas da AE5728A são fornecidas pela FN, sua velocidade na boca do cano é um pouco menor que a da SS197SR.

 

Se você gostou deste artigo, por favor, compartilhe-o com seus amigos!

Criador do blog Firearms Brasil. Atirador Informal, Técnico em Informática, mineiro e apaixonado pelo mundo das Armas de Fogo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *