A Escolha da Primeira Arma, um guia para leigos – Parte II

Retornando ao assunto referente a escolha da primeira arma, hoje vamos falar de tipos de munição e seus usos mais comuns, sempre voltado para o que encontramos no mercado nacional e nos calibres permitidos por lei para compra do cidadão comum.

Quando se fala em munições, é importante lembrar que existem muitos mitos e mentiras que rolam nas conversas de boteco vinda de supostos entendedores, como “O 22 é bom porque caminha no corpo e sempre para no coração”, ou “12 só é bom de perto” e ainda “A bala dum-dum quando entra faz um buraquinho, mas quando sai explode a pessoa”. Nem a TV escapou desses mentirosos metidos a jogadores de Call of Duty e Counter Strike que espalham as táticas dos jogos pelo mundo real das armas. Esses mitos culminaram em vários episódios da série “Mythbusters”, ou em português “Caçadores de Mitos”, que tinham seu enredo voltado para mitos sobre armas e munições. Sem ficar entrando demasiadamente em historias fantasiosas, vamos começar a falar do que realmente importa.

cbc_ogival1
Munição ogival
img_muni_copper
Munição de ponta oca

Das munições de revolveres e pistolas: Existem basicamente dois tipos principais, que são determinados pelo formato de sua ponta, são os projéteis ogivais e os de ponta oca (existem algumas variações, como o de ponta plana, mas que acabam agindo mais semelhante à ogival que ao outro tipo, então vamos deixar este de lado). O projétil ogival é aquele mais “clássico”, de ponta arredondada. Este projétil costuma ter ação apenas perfurante sobre o alvo, não sendo projetado para causar impacto sobre ele (o chamado Poder de Parada, que é a capacidade de passar toda a energia do disparo ao alvo, incapacitando e tirando de combate com menor número de disparos o indivíduo alvo). A munição do tipo Ogival costuma ser mais barata, contudo é menos eficiente para uso na defesa pessoal. A munição do tipo Ponta Oca já age de forma diferente, ou seja, ele é feito para causar um impacto maior ao alvo e gera um efeito expansivo quando o atinge. Este projétil quando acerta algo com certa porção de água, como o corpo humano, tende a aumentar de diâmetro enquanto perfura o tecido, deixando seu calibre inicial e passando a uma massa mais larga e deformada, passando toda a energia do disparo ao alvo. Este tipo de munição não é feita para atravessar uma pessoa, mas sim para fazer ela absorver o impacto e é tão eficiente que todas as forças policiais do Brasil usam, pela sua eficiência em combate a curta e média distância e por ser capaz de tirar o oponente de combate com menos disparos.

Em suma temos então: Munição ogival = perfuração e pouco poder de parada, e Munição Ponta Oca = pouca perfuração e muito poder de parada.


Este vídeo apresenta um disparo de .380ACP com projétil Ogival (Mais perfuração e menos impacto)


O vídeo mostra um disparo de .380ACP com projétil Ponta Oca (menos perfuração e mais impacto)

OBS¹: Considerem que carabinas (no Brasil) costumam ter suas munições cambiáveis com revolveres, logo, essa explicação também se aplica a este tipo de arma.

shotgun-shell-sizes
Diferentes tipos de munição calibre 12GA

Das munições de espingardas: As espingardas são as armas de fogo mais dinâmicas. Apesar de terem seus projetos oriundos do final do século XIX e derivadas das armas de antecarga (de carregar pela boca), elas ainda são muito usadas para defesa residencial, caça e uso policial. As cargas de munições de espingarda podem ter variáveis numerosas, tendo modelos com chumbos pequenos e numerosos dentro de um único cartucho, ou um único chumbo, porém, pesado e grosso. Cada tipo de munição tem uma peculiaridade específica, sendo útil para determinadas situações e menos útil em outras (ou até totalmente ineficientes). Basicamente tenhamos como regra que munições com múltiplos chumbos tendem a espalhar sua área de acerto na relação: QUANTIDADE DE CHUMBOS VS DISTÂNCIA, ou seja, quanto maior a distância mais o feixe de bagos de chumbo se espalha, tornando mais difícil o acerto de forma eficiente e / ou letal.

Cartuchos com chumbos múltiplos e maiores seguem a mesma regra, mas costumam acertar o alvo com mais energia, logicamente pelo seu tamanho. Cartuchos de um único projétil são mais úteis a distâncias maiores, como 20 a 30 metros (ou mais), contudo necessita uma pontaria maior. O poder de parada deste tipo de munição costuma variar muito da distância do tiro e do tipo de munição, mas em distâncias de até 10 metros são muito superiores no quesito energia e letalidade do que as demais munições antes citadas.


Este vídeo mostra o efeito de vários tipos diferentes de cargas de chumbo usados em uma espingarda de calibre 12. Vídeo perfeito para se ver os diferentes tipos de munições e seus efeitos em gelatina balística.

Estranhamente, as munições de espingardas costumam ser mais baratas em relação as de revólveres e pistolas, apesar de seu tamanho ser maior e robustez mais elevada, contudo não se pode dizer que sejam baratos. Quando falamos de armas de fogo e seus insumos, no Brasil, nada é barato, já tenham isto em mente. Infelizmente as políticas de desarmamento tornaram tudo muito caro e pouco acessível, o que torna a lei da oferta e procura desinteressante para quem gosta de armas e de praticar tiro.

Enfim, é também necessário saber um pouco sobre os efeitos balísticos para saber exatamente se o tipo de arma de fogo que se pensa em adquirir é realmente adequado ao que se pensa em fazer com a arma, tão logo comece a pesquisar sobre o assunto e veja que quanto mais se aprende, mais se descobre novas ramificações de assuntos…Praticamente uma bola de neve!

 

OBS²: Gostaria de lembrar a todos que este artigo foi escrito para leigos, logo, não entramos em muitos detalhes sobre diferentes tipos de munição, seus calibres, acessórios, tipos variados de armas nem nada, pois, discorrerei sobre isso em um artigo futuro.

 

Se você gostou deste artigo, por favor, compartilhe-o com seus amigos!

Policial Militar no estado de São Paulo desde 2006, estudante de Psicologia e entusiasta do mundo das armas.

One thought on “A Escolha da Primeira Arma, um guia para leigos – Parte II

  1. Olá amigo, muito obrigado pelas dicas, estou pensando seriamente em solicitar a posse de uma arma para proteger minha residência e meus familiares.Vou procurar o clube de tiro da minha cidade mais antes pretendo adquirir alguns conhecimentos básicos.Muito obrigado pela disposição em ajudar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *