T SERIES – NOVA LINHA DE ARMAS DA TAURUS

Pistola Taurus TS40 em calibre .40S&W.

Em evento sediado no 5º Batalhão da Polícia Militar de Minas Gerais, a Taurus Armas, fabricante nacional de armas de fogo, apresentou sua nova linha de produtos, a “T Series“, composta pelas pistolas Hammer e Striker, sendo elas os modelos TH9, TH40, TH380, TS9, TS40 e TS380, além de suas variantes compactas, que levam um C no final de sua nomenclatura.

Foi apresentado também o primeiro fuzil a ser vendido em solo nacional produzido pela empresa, o T4. No evento foram levados o fuzil T4A1 e A2, em que suas únicas diferenças são em relação ao guarda mão, já que o T4A1 é idêntico ao fuzil Colt M4A1 com guarda mão feito em metal e polímero, com carry handle destacável, e trilho picattyni, já o T4A2 é todo em alumínio. Seu hand guard além de também servir como dissipador de calor, possui trilhos picattyni por toda sua extensão e lados, sendo possível assim acoplar dispositivos ópticos, lanternas e diferentes apontadores laser.

Modelos que foram levados para uso no evento: Pistolas Taurus TH9 e TS40, submetralhadora SMT-40, carabina CTT-40 e fuzis T4A1 e T4A2, ambos em 5,56x45mm.

A principal diferença entre a nova linha T das outras, é a intercambiabilidade de peças entre seus modelos. O lower do modelo T4A1 serve no upper do modelo T4A2, e vice versa. Assim como suas demais peças. E não só o fuzil tem essa característica, mas principalmente as pistolas, o jogo de gatilho de uma pistola da série Striker, é compatível com os outros modelos da mesma série, e o mesmo se repete com a Hammer. Seus carregadores são intercambiáveis entre as pistolas de séries diferentes, sendo possível diferenciar de qual modelo pertencem originalmente, apenas pelo fundo do carregador.

A nova linha também é modular, ou seja, para se trocar uma peça não é mais necessário remover diferentes pinos e molas. Sacando um ou dois pinos do chassi da arma, todo o jogo de gatilho sai na sua mão, fazendo que a manutenção deste armamento, apesar de ter se tornado caro por não ocorrer a troca de peças específicas, também se tornou mais fácil e prático.

Apesar de semelhantes, a série Hammer não é totalmente igual a antiga série 800. Suas peças, que antes eram encaixadas, agora são presas por pinos, as dimensões de suas peças foram alteradas, e a ergonomia da arma melhorou consideravelmente. Em resumo, o que eles fizeram foi o que tantas outras fabricantes fazem: escolheram uma base já conhecida, (nesse caso, a base da série 800) e fizeram algumas mudanças em seu mecanismo interno, além de pequenas alterações no design da arma, como a adição de um cabo texturizado, que aliás, é um item presente em toda a sua nova linha de pistolas. Fizeram o mesmo com a série de fuzis, que neste caso em nada se diferencia de um fuzil Colt M4, por exemplo.

Percursor da pistola Striker

Já a pistola Striker, uma arma de percursor lançado, é diferente de tudo que a Taurus já fez até hoje. Sua ergonomia melhorou muito em relação a modelos produzidos anteriormente, é nítido também como seu ferrolho e demais peças são produzidos com muito mais robustez do que outras armas da mesma marca. O sistema de desmontagem da arma, uma patente da fábrica, e a forma como o ferrolho praticamente veda o frame da pistola, são também um diferencial em seu projeto, pois isso faz com que seja muito mais difícil entrar sujeira na arma, fazendo-a, em teoria, uma arma muito mais segura. A Striker é uma arma de pronto emprego, ou seja não possui travas, e uma vez alimentada é necessário apenas pressionar o gatilho para se disparar, sua ação é híbrida, assim como nas pistolas Glock.

Durante o evento, todas as armas foram testadas de maneira exaustiva, sendo mergulhadas, com o carregador municiado, e depois sendo disparadas; tiveram suas peças trocadas entre modelos de séries diferentes (lower do T4A1 sendo usado no T4A2, e vice versa, carregador da TH40 sendo usada na TS40 e também vice versa), e não ocorreram quaisquer falhas.

O evento foi marcado também pela fábrica ter doado à Policia Militar, Polícia Civil e Sistema Prisional do Estado de Minas Gerais, 40 armas, dentre elas as duas pistolas da nova linha (TS e TH), as já conhecidas SMT’s, e, é claro, o fuzil T4. Esta doação provavelmente vai fazer com que estas instituições pressionem o Exército Brasileiro a liberar a venda e entrega destes armamentos, pois estão em avaliação à mais de dois anos, e apesar de já terem sido aprovadas, até hoje não foram homologadas e não podem ser oficialmente vendidas, ou entregues.

O Vice-Presidente da Taurus/CBC, o Sr. Salésio Nuhs, esteve presente no evento, e disse que escolheu o Estado de Minas Gerais porque neste mês de junho a Polícia Militar de Minas Gerais completa 242 anos, sendo a mais antiga do país. Afirmou ainda que a Taurus vai manter o rígido controle de qualidade durante a fabricação de seu armamento, controle esse que vi com meus próprios olhos durante minha visita à fábrica, no Rio Grande do Sul.

Com esse lançamento ficou claro que a Taurus está fazendo de tudo para abandonar a má fama que ganhou. Sua nova série de armas não deixou nada a desejar, muito pelo contrário, surpreendeu e inovou, apresentaram produtos diferenciados no mercado nacional.

Confira abaixo mais fotos do evento:

Se você gostou deste artigo, por favor, compartilhe-o com seus amigos!

Criador do blog Firearms Brasil. Atirador Informal, Técnico em Informática, mineiro e apaixonado pelo mundo das Armas de Fogo.

7 COMENTÁRIOS NO ARTIGO: “T SERIES – NOVA LINHA DE ARMAS DA TAURUS

    1. Quando o Exército tomar vergonha na cara e liberar a importação e facilitar a abertura da fábricas estrangeiras em solo nacional, e principalmente quando o estatuto do desarmamento cair, pois o mercado para esse produto vai aumentar e as empresas vão ter motivos para se instalarem aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *